PUBLICIDADE

Número de idosos deve ultrapassar o de crianças em poucos anos na PB

Em 2016, o Brasil tinha 206 milhões de habitantes. Neste ano, o país somou 1,7 milhão de pessoas a mais do que no ano passado. Na Paraíba, por exemplo, o número de pessoas passou, de um ano para o outro, de 3,99 milhões para 4,25 milhões, e a expectativa de vida no estado subiu para 72,6 anos. Mas mesmo com essa alta, o crescimento populacional vem desacelerando, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A taxa de natalidade está caindo e em poucos anos, de acordo com dados do Instituto, o número de idosos vai ultrapassar o de crianças até 14 anos.
Hoje, para cada 100 pessoas consideradas economicamente ativas, existem 21 idosos aposentados. Em 2060, a previsão é de que esse número seja de 63 idosos para cada 100 pessoas na ativa – e quem custeia a pensão dos aposentados é quem está na ativa.
“O envelhecimento da população brasileira vai ser muito rápido e muito profundo. Assumindo que existe uma proporção entre os benefícios de aposentadoria e o percentual da população e a quantidade de pessoas acima de 65 anos, isso torna tal sistema insustentável. Então, a introdução de uma idade mínima para aposentadoria é fundamental”, avisa o pesquisador do Centro de Crescimento Econômico da Fundação Getúlio Vargas Fernando de Holanda Filho. Para ele, com esse cenário, o sistema previdenciário pode entrar em colapso.
Isso porque, atualmente, não existe idade mínima para aposentadoria. De acordo com a proposta de reforma da Previdência, que está em discussão no Congresso Nacional, isso deveria mudar: a idade passaria a ser de 62 para as mulheres e 65 para os homens até 2038, gradativamente. Ela começaria com 53 para as mulheres e 55 para os homens e, até 2020, passaria a ser acrescido um ano de idade para a mulher e o homem a cada dois anos, até atingir o limite de 62 e 65 anos. “A idade mínima colocaria alguma ordem nas prioridades da própria previdência”, defende o economista e professor da Universidade de Brasília César Bergo.
No novo texto da reforma que tramita no Congresso – agora reduzido – o item que estabelecia tempo mínimo de contribuição de 25 anos foi retirado. Isso porque a proposta previa dez anos a mais do que o já praticado. Outro item considerado polêmico, também retirado do texto, foi o que falava sobre a aposentadoria rural. Atualmente, a trabalhadora e o trabalhador do campo se aposentam com 55 e 60 anos, respectivamente, e precisam comprovar 15 anos de serviço rural. A proposta queria aumentar a idade mínima para as mulheres para 57 anos.
IBGE faz previsão para 2060 sobre situação previdenciária
Déficit na Paraíba

Na Paraíba, o déficit da previdência em 2015, segundo informações do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), ficou próximo dos 13% da receita corrente líquida. Isso quer dizer que 13% dos recursos do estado foram destinados para pagar aposentados e pensionistas. Para se ter ideia, em 2006, esse índice era menor que 6,5%.

 

Portal Arara
Fonte: Jalila Arabi
Tecnologia do Blogger.