PUBLICIDADE

Cidade abastecida por açude sangrando está em colapso hídrico na Paraíba

A cidade de Carrapateira, abastecida pelo açude Bom Jesus I, que sangra desde o dia 6 de abril, está em colapso de abastecimento de água, de acordo com a Companhia de Água e Esgotos da Paraíba (Cagepa). Além disso, Sossego, localizada no Sertão da Paraíba, abastecida pelo açude Epitácio Pessoa (Boqueirão), que sofreu uma recarga histórica nos últimos dias, também sofre com a falta d'água. As duas integram uma lista de pelo menos 30 cidades que estão sem abastecimento de água na Paraíba, segundo a Cagepa.


O açude Bom Jesus, localizado no município de Carrapeteira, no Sertão da Paraíba, foi o que mais ultrapassou a capacidade total de águas. Com 107,89% do volume total, a barragem chegou a 370,3 mil metros cúbicos, quando a sua capacidade total é de 343,8 mil. Ainda assim, a cidade está na lista de mais de quarenta cidades e municípios em colapso no abastecimento de água.


Desde o início do mês de março, quando o período chuvoso deu início na Paraíba, pelo menos 11 açudes sangraram e outros sofreram recargas suficientes para garantir o abastecimento de água em algumas áreas do Sertão paraibano.


Nível de Boqueirão sobe, mas cidade continua em colpaso

O açude Epitácio Pessoa, conhecido como Boqueirão, que abastece um milhão de pessoas na Paraíba, tem subido de nível gradativamente. No dia 15 de abril, o açude recebeu um aporte de aproximadamente 13,7 milhões de metros cúbicos de água, um volume que representa 90 centímetros na lâmina de água. De acordo com dados da Aesa, a recarga é considerada a maior dos últimos 12 anos, quando a região Agreste sofreu com a seca.

Um ano após o encontro das águas da Transposição do Rio São Francisco com o espelho d'água de Boqueirão, a cena de um reservatório quase seco e com o pior volume da sua história - 2,9% da capacidade total - vai sendo modificada pela recarga de 119 milhões de metros cúbicos de água acumulados no açude ao longo dos últimos 12 meses. Boqueirão, até este sábado (21), já estava com 31,91% do seu volume máximo.

Das 14 cidades abastecidas pelo açude, Sossego é a única que ainda permanece em calapso. O município tem, em média, cinco mil habitantes, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Lista dos municípios em colapso de abastecimento

  • Montadas - açude Emídio
  • Areial - açude Covão
  • Algodão de Jandaíra - açude Algodão
  • Cuité - açude Boqueirão do Cais
  • Nova Floresta - açude Boqueirão do Cais
  • Barra de Santa Rosa - açude Poleiro
  • Frei Martinho - açude Várzea Grande
  • Picuí - açude Várzea Grande
  • Nova Palmeira - açude Caraíbeiras
  • Puxinanã - açude Milhã
  • Sossego - açude Epitácio Pessoa
  • Aroeiras, Gado Bravo e distrito Novo Pedro Velho - açude Acauã
  • Amparo - açude Sumé
  • Dist. Pindurão - açude dos Poços
  • Remígio, Esperança, Distrito São Miguel, distrito Lagoa do Mato e Distristo Cepilho - açude Vaca Brava
  • Riacho de Santo Antonio - açude Riacho Santo Antônio
  • Riachão, Tacima, Dona Inês e Damião, Dist. Barreiros, Dist. Logradouro, Dist. Cozinha, dist. Cachoeirinha e dist. De Bola - açude Jandaía
  • Dist. Cachoeirinha e Braga - açude Lagoa do Matias
  • Itatuba, Ingá - barragem de nível da regularização da barragem Acauã
  • Matureia - açude Riacho das Moças
  • Imaculada - açude Albino
  • Teixeira - açude São Francisco II
  • Riacho dos Cavalos - açude Riacho dos Cavalos
  • Bernadino Batista - açude Capivara
  • Carrapateira - açude Bom Jesus I
  • Triunfo - açude Gamelas
  • Distrito de Gravatá - rio perenizado pelo açude de Engenheiro Avidos
Cidade beneficiada com a transposição permanece em situação de emergência

Embora a chuva tenha chegado em quase toda Paraíba, e a transposição começar a demonstrar sinais de mudanças, cidades como Monteiro, a primeira a receber as águas do Velho Chico, há cerca de um ano, está na lista das cidades que estão em situação de emergência por causa da seca.


Segundo o secretário de Comunicação da cidade, Fred Menezes, o município consta no decreto porque é o maior em área territorial da Paraíba e as águas da transposição ainda não trouxeram benefícios para a zona rural. Além disso, o fornecimento está suspenso desde o fim de março e a previsão de retorno é de quatro a seis meses. Uma rede de abastecimento de água está sendo feita na cidade, mas, segundo a prefeitura, falta decidir quem vai assumir o comando desta água.


De acordo com o Diário Oficial do Estado (DOE), 196 municípios paraibanos estão em situação de emergência. Dentre as áreas contempladas no decreto, estão também as cidades de Campina Grande, Alagoa Grande, Cajazeiras, Itabaiana, Boqueirão, Sousa, Patos e Guarabira.

11 açudes sangram desde o início das chuvas

A açude São José I, em São José de Piranhas, no Sertão, saiu quase do volume morto, com 1% do volume total de 3,05 milhões de metros, para 103% da capacidade máxima de água. Foram mais de 100 mil metros cúbicos de água transbordando na região.

Um vídeo gravado por um professor mostra a emoção da população da cidade com a sangria do açude São José I, usado para o abastecimento do município. Depois de 7 anos, o reservatório voltou a sangrar com as chuvas na região. Com as mãos elevadas ao céu, os moradores rezaram juntos, agradecendo as chuvas e a nova sangria.

A emoção e o agradecimento não são em vão. Desde 2011 que o açude não atingia mais a capacidade máxima. E com a estiagem, chegou a enfrentar fortes crises, nos últimos anos, deixando a população sem abastecimento por alguns períodos. “Era muito difícil. Sem água, teve dia que o carro-pipa abastecia a caixa d'água no bairro e dava briga, pela água”, contou um morador.


Já o açude Cachoeira da Vaca, em Cachoeira dos Índios, também no Sertão paraibano, tinha apenas 8% da sua capacidade total de águas durante o mês de janeiro. Em abril, o açude transbordou pelo menos 20 mil metros cúbicos de água.


Os açudes de Araçagi e Cafundó, este em Serra Grande, também sangraram no início do mês de abril e permanecem com o máximo da capacidade de águas, com 101,73% e 101,57% do volume total. O mesmo aconteceu com os açudes Olho D’Água, Pimenta, São Salvador e Vazante, que transbordaram após ultrapassar os limites de água.



O açude Cachoeira dos Alves, que abastece o município de Itaporanga, no Sertão da Paraíba, também sangrou no último sábado (14). A barragem atingiu mais de 10,8 milhões de metros cúbicos, chegando a 102% da sua capacidade total.


O açude Manoel Marcionilo, no município de Taperoá, começou a transbordar no dia 9 de abril, por causa das fortes chuvas na região. O manancial está com mais de 15 milhões de metros cúbicos, o que resolve o abastecimento na região de Taperoá.


As aulas nas escolas municipais da cidade foram suspensas para cerca de mil alunos, até a próxima sexta-feira (20), pois as estradas ficaram intransitáveis após o registro de fortes chuvas na região do município. Nos primeiros vinte dias de abril, Taperoá registrou 375,7 milímetros. Segundo a Secretaria de Educação do município, a suspensão de uma semana teve como o objetivo de garantir a segurança dos estudantes.

Recarga de esperança
Os açudes que abastecem a região de Patos sofreram uma recarga desde o início das chuvas, no mês de março, garantindo o abastecimento à população até o inverno de 2019, segundo a Cagepa Regional das Espinharas.O melhor registro foi no açude da Farinha, atualmente com 47% da sua capacidade total de águas.

A barragem da Farinha, em janeiro de 2018, estava no seu volume morto. Neste mês de abril, o açude já apresenta 12,2 milhões de metros cúbicos. A cidade de Patos ainda é abastecida por mais dois açudes. Um deles é o açude Capoeira, na zona rural de Santa Terezinha. A barragem está bem perto de atingir os 10% da capacidade total. Houve um acréscimo no volume de 3,6% desde janeiro deste ano.

O açude Jatobá, que também abastece a população de Patos, esteve totalmente seco este ano. No entanto, os números da Agência Executiva de Gestão das Águas (Aesa) já apontam que o açude atingiu 7,85% da capacidade, chegando a 1,3 milhões de metros cúbicos de água.


Portal Arara
Fonte: G1 PB
Tecnologia do Blogger.