Paraíba confirma primeira morte por H1N1 e outros 14 casos são investigados - Portal Arara

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Paraíba confirma primeira morte por H1N1 e outros 14 casos são investigados

A Paraíba confirmou este ano dois casos da gripe H1N1, sendo que um dos pacientes morreu em decorrência de complicações provocadas pelo vírus, também conhecido como Influenza A.
A informação é da Secretaria de Estado de Saúde da Paraíba (SES-PB) que revelou ainda que outros 14 casos de pacientes suspeitos de terem sido infectados com o vírus Influenza (tipo A e outros) continuam em investigação. De acordo com a SES, 19 pessoas foram infectadas pelo vírus em 2017, e destes 6 casos evoluíram para óbito.
Os sintomas causados pelo vírus H1N1 se assemelham muito a uma gripe comum, só que são mais fortes, conforme explicou o pneumologista Sebastião Costa. “São cinco dias de febre muito alta, dor nas articulações, indisposição, tosse”, enumerou.
Segundo ele, o problema não é a gripe em si e sim as complicações que podem advir dela, principalmente em pacientes que têm o sistema imunológico comprometido. Pacientes renais crônicos, com asma, diabetes e cardiopatias estão mais sujeitos aos desdobramentos da doença, assim como crianças com menos de dois anos e idosos com mais de 60.
“A virose tem uma tendência de reduzir a imunidade, a secreção atrai bactérias, assim como a necrose celular. Isso pode levar a complicações como bronquite, pneumonia (que é mais grave) ou síndrome respiratória aguda, que deriva do próprio H1N1”, esclareceu o médico.
Para alertar as pessoas sobre a prevenção e vacinação contra a influenza no dia 23 começa a 20ª campanha de vacinação começando pela imunização de gestantes e trabalhadores de saúde. Para os demais grupos prioritários a vacinação começa no dia 7 de maio.
Campanha
Os grupos prioritários para a vacinação são indivíduos com 60 anos de idade ou mais; crianças maiores de seis meses e menores de cinco anos de idade; as gestantes e as puérperas (até 45 dias após o parto); os trabalhadores de saúde; os povos indígenas; os grupos portadores de doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais; os adolescentes e jovens de 12 a 21 anos de idade sob medidas socioeducativas; a população privada de liberdade; os funcionários do sistema prisional e os professores das escolas públicas e privadas.
O público-alvo a ser vacinado é de aproximadamente 1.070.000 pessoas. As vacinas, que serão enviadas pelo Ministério da Saúde de maneira fracionada durante os meses de abril, maio e junho, estarão disponíveis nas salas de vacinas nos 223 municípios do Estado. Serão distribuídas 1.176.700 doses na Paraíba.
A gerente operacional de Vigilância Epidemiológica da SES-PB, Izabel Sarmento, explicou que a vacina é feita à partir da investigação dos casos das Unidades Sentinelas. “Temos Unidades Sentinelas na Oceania, Hospital Edson Ramalho e no Hospital do Valentina”.
As Sentinelas são coletas feitas semanalmente e encaminhadas para o laboratório de referência. “À partir daí, a gente sabe o que circula durante o ano no estado da Paraíba. A vacina é produzida anualmente a partir da investigação do que circula em cada estado”, disse.
A prevenção da gripe H1N1 segue as mesmas regras para qualquer tipo de gripe, que incluem:
▶ evitar manter contato muito próximo com uma pessoa que esteja infectada;
▶ lavar sempre as mãos com água e sabão e evitar levar as mãos ao rosto e, principalmente, à boca;
▶ sempre que possível, ter um frasco com álcool-gel para garantir que as mãos sempre estejam esterilizadas;
▶ manter hábitos saudáveis, alimentar-se bem e beber bastante água;
▶ não compartilhar utensílios de uso pessoal, como toalhas, copos, talheres e travesseiros;
▶ caso haja indicação, utilizar uma máscara para proteger-se de gotículas infectadas que possam estar no ar;
Sinais de gravidade
É importante saber reconhecer os sinais de gravidade nas crianças gripadas para evitar complicações. Os sinais indicadores de atendimento médico de emergência incluem:
Portal Arara
Fonte: Correio da Paraíba
Tecnologia do Blogger.