PUBLICIDADE

Maduro anuncia que multiplicará por 34 o valor do salário mínimo na Venezuela

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, anunciou na sexta-feira que multiplicará por 34 o salário mínimo, sem informar quando o aumento entrará em vigor, como parte de seu programa de recuperação econômica. Maduro disse que o salário estará “aferrado” ao valor do petro, uma criptomoeda criada pelo Governo para obter liquidez. Cada petro, de acordo com o mandatário, equivale a 60 dólares (235 reais), baseado no preço do barril de petróleo venezuelano.

“Fixei o salário mínimo, as aposentadorias e a base de salários para todas as tabelas salariais do país em meio petro, 1.800 bolívares [do novo plano monetário que entrará em vigor na segunda-feira e retirará cinco zeros da moeda]”, disse Maduro à rede pública de televisão. Em bolívares atuais, o salário mínimo passaria de 5,2 milhões (menos de 4 reais no mercado negro, que domina a economia) a 180 milhões (aproximadamente 110 reais). O ajuste, de 3.464%, é o quinto do ano. O salário mínimo, que não dá sequer para comprar um quilo de carne, se diluiu na Venezuela pela acelerada desvalorização do bolívar e uma hiperinflação que pode chegar a 1.000.000% nesse ano, de acordo com o FMI.

Ainda que tenha prometido que seu Governo iniciará um rígido programa de disciplina fiscal, Maduro disse que o Estado assumirá por 90 dias a diferença do aumento do salário mínimo para todas as “pequenas e médias indústrias do país”. “Precisaremos de uma disciplina fiscal prussiana e eliminar definitivamente a emissão de dinheiro não orgânico e sustentar a emissão de dinheiro na produção de riqueza, de petróleo, de ouro, turismo”, afirmou, ao reconhecer o financiamento monetário.

Com uma perda de mais de 50% da produção petrolífera em uma década e praticamente sem acesso a financiamento externo, o Governo enfrenta graves problemas de liquidez que tenta deter com emissões de dinheiro. O petróleo representa 96% de sua renda.

Maduro também anunciou que aumentará o IVA para os bens suntuários de 12% a 16%. Além disso, adiantou que haverá uma única taxa oficial flutuante dentro do rígido controle cambial com o qual o Governo monopoliza as divisas desde 2003. O presidente disse que estará aferrada ao petro, mas não disse qual será o valor inicial.

Mas ao fixar cada petro em 3.600 bolívares soberanos, que entrarão em vigor na segunda-feira, e por sua vez taxar a criptomoeda em 60 dólares (235 reais), o câmbio resultante poderá ser de 6 trilhões de bolívares atuais por cada dólar. Com isso, de acordo com Asdrúbal Oliveros, diretor da consultoria Ecoanalítica, “existirá um reconhecimento do mercado negro”, que Maduro chama de “criminoso” e no qual as cotações chegam a multiplicar por 30 as oficiais. Para Oliveros isso significa uma macrodesvalorização. Para tentar provocar um retrocesso do mercado negro, Maduro prometeu em princípio três leilões semanais de divisas, que depois pretende aumentar a cinco.

A situacionista Assembleia Constituinte aprovou recentemente despenalizar “o uso, a circulação e a transação de moedas convertíveis” em casas de câmbio autorizadas pelo Governo. Como parte de seu programa de recuperação, o Executivo estendeu até 30 de agosto um censo veicular para que as pessoas recebam diretamente um subsídio à gasolina através do “cartão da pátria”, cartão eletrônico para se ter acesso a programas sociais.

A oposição chama esse documento de um “mecanismo de chantagem e controle social”. Maduro ratificou que quem não participar do censo pagará a gasolina a “preços internacionais”. Até agora, segundo o mandatário, 1.863.750 de pessoas se registraram. O presidente continua sem informar as novas tarifas do combustível e quando começarão a ser cobradas, mas afirmou que será um processo gradual. A Venezuela tem a gasolina mais barata do mundo: com um dólar (4 reais) no valor do mercado negro são comprados mais de seis milhões de litros.

Fonte: elpais.com
Tecnologia do Blogger.